Roteiro de aulas

Doenças Infecciosas

Doenças Micóticas

  1. Candidíase ou Candidose

Agente etiológico: Cândida albicans (flora microbiana normal)- anfibiose

Fatores predisponentes: ordem geral

ordem local: umidade e traumatismos

Classificação

    1. Formas Agudas: pseudomembranosa (Sapinho)- cianças, adultos debilitados, antibioticoterapia.

Placas esbranquiças removidas por raspagem.

eritematosa: antibióticoterapia, HIV +; mácula eritematosa.

Língua: despapilação, brilhante.

  1. Formas Crônicas: candidíase eritematosa (estomatite relacionada à protese): áreas hiperêmicas,

áreas recobertas por prótese total ou parcial temporária

queilite angular: etiologia multifatorial, fissuras na área de comissura labial

Critério para diagnóstico: anamnese, exame micológico, citologia esfoliativa, biópsia.

Terapêutica: Bochechos com solução alcalina, uso de nistatina ou miconazol e desinfecção química de aparelhos protéticos.

  1. Paracoccidioidomicose (Blastomicose Sul-Americana)

Agente etiológico: Paracoccidioides brasiliensis (vegetais e terra).

Epidemiologia: SP, MG, RJ, GO, PR, RS.

Patogênese: inalação de esporos.

Formas clínicas: tegumentar, linfática e visceral.

Manifestação bucal: estomatite ulcerosa moriforme ( exoulcerações, esbranquiçadas, com pontilhados hemorrágicos.)

periodontite paracoccidióica oculta.

Diagnóstico: biópsia, citologia esfoliativa, micológico, etc.

Tratamento: sulfas, anfotericina B, imidazólicos.

Infecções bacterianas

    1. Sífilis

Treponema pallidum: contato sexual com lesões ativas, transfusão sanguínea e inoculação transplacentária.

Formas clínicas: sífilis congênita e adquirida.

Sífilis Adquirida: Primária- cancro duro (pápula granulomatosa, ulcerada, bordas endurecidas e assintomática). Altamente infectante, ocorre em lábios, língua, genitálias orofaringe e dedos.

Sifilis secundária: roséola sifilítica, condiloma plano (placas elevadas, branco-acinzentada)- altamente infectante.

Sífilis terciária: surge após 3 a 10 anos, predileção por aparelho cardiovascular e sistema nervoso central (neurossífilis). Lesão: goma (lesão destrutiva), perfuração do palato. Não é infectante.

Sífilis Congênita: 5º mês gestacional. Recente: abortos, lesões destrutivas em vários órgãos fetais, natimortos.

Tardia: tríade de Hutchinson (queratite intersticial, surdez e anomalias dentárias).

Diagnóstico da sífilis: testes de Wasserman, VDRL, e FTS-Abs.

Tratamento: Penicilina G benzatina.

    1. Tuberculose

Etiopatogenia: Mycobacterium tuberculosis- inalação (lesões pulmonares) e inoculação direta (rara).

Tuberculose miliar: lesões disseminadas

Aspectos odontológicos: úlceras crônicas, osteomielite tuberculosa, linfadenite tuberculosa.

Locais mais freqüentes: dorso lingual, palato mole, assoalho bucal, lábios e mucosa jugal.

Diagnóstico: Biópsia e testes bacteriológicos.

Tratamento odontológico: Tuberculose pulmonar X infecção cruzada.

    1. Actinomicose

Etiologia: Actinomyces israelii (bactéria gram-positiva anaeróbia)- flora bucal.

Formas clínicas: cervicofacial, torácica e pélvicoabdominal.

Patogênese: comensalismo oral, baixa virulência, quebra da integridade da mucosa; baixo potencial de óxido-redução (anaeróbico) e presença de outros tipos de bactérias.

Manifestações clínicas da actinomicose cervicofacial: tumefação na mandíbula, endurecida, formação de múltiplos abscessos e fístulas (episódios contínuos de supuração) com ou sem manifestações sistêmicas. Podem ser aguda ou crônica (exsudato purulento: grãos de enxofre).

Exame radiográfico: radioluscência

Disseminação linfática e hematogênica: são raras.

Diagnóstico: TC, ultrassonografia, cultura anaeróbia, biópsia, etc.

Trtamento: antibioticoterapia de largo espectro e longa duração.

Infecção causada por protozoário

Leishmaniose

Doença causada por protozoários das espécies de Leishmania.

Reservatórios da doença: animais silvestres, cães e roedores (forma promastigota).

Vetor: mosquito fêmea Phlebotomus.

Patogênese: transmissão aos humanos através da picada do mosquito palha, ou pela mordida de cachorros ou roedores contaminados.

Hospedeiros acidentais: humanos

Formas clínicas: cutânea e cutânea-mucosa (Leishamnia brasiliensis), visceral (forma mais grave)

Leishmaniose cutânea: fase primária, a lesão ocorre no local da picada, sendo caracterizada pela presença de ulcerações crostosas (úlcera de Baurú), a qual apresenta cura espontânea (cicatriz atrófica).

Pode ocorrer realmente a cura, ou entrar num estado de latência por tempo indeterminado.

Leishamniose cutâneo-mucosa: estágio secundário (após lesão cutânea). Locais de maior incidência: palato mole e duro.

Lesões bucais: lesões granulomatosas proliferativas (framboesiformes) ou necrotizantes (destruição e necrose- multilação) –tropismo pela cartilagem nasal: nariz de anta ou tapir.

Diagnóstico: biópsias, cultura e intradermoreação de Montenegro.