CARCINOMA DE LÁBIO INFERIOR

Paciente AS, 52 anos, leucoderma, trabalhador rural, procurou a Disciplina de Semiologia / Estomatologia da UNICASTELO, com queixa de ferida (sic) no lábio inferior.

Na anamnese, o paciente relatou trabalhar exposto ao sol por 8 a 10 horas diárias, há proximadamente 30 anos. Relatou ser fumante (1 maço por dia) e etilista eventual, não sendo portador de nenhuma patologia sistêmica que merecesse destaque, bem como não apresentava história famíliar de doenças.

Com relação à lesão, relatou ter aparecido uma pequena úlcera na região central do lábio inferior aproximadamente 3 meses antes do exame. Tal lesão não possuía nenhuma sentomatologia.

Ao exame clínico verificou-se a presença de lesão ulcerativa, de bordos endurecidos na região central do lábio inferior próxima linha muco-cutânea (fig. 1). O paciente não apresentava comprometimento ganglionar (clinicamente).

fig.1 - aspecto inicial da lesão

Foi realizada biopsia incisional e obteve-se o resultado de Carcinoma Espino Celular (CEC) invasivo até o plano muscular.

Foi realizada posteriormente, sob anestesia geral a remoção cirúrgica da lesão com margem de segurança (figs. 2 e 3).

fig.2 - remoção cicurgica

fig.3 - peça removida

Das margens foram removidos fragmentos (fig. 4) a fim de se realizar biopsia por congelação (fig. 5).

fig.4 - bordas da ferida

fig.5 - biópsia por congelação

Após o patologista avaliar as lâminas e informar que as margens estavam livres da neoplasia, foi promovido o fechamento da ferida cirúrgica (fig. 6).

fig.6 - sutura da vermelhectomia

Realizou-se após 14 dias a remoção da sutura e o paciente foi proservado por 8 meses não existindo evidências clínicas de recidiva. O Paciente continua sob acompanhamento da Disciplina.

 

Prof. Eduardo Ribeiro da Silva e Prof. Francisco Pacca

 
 |